Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Quem tem alma não tem calma

Especialista em generalidades.

Quem tem alma não tem calma

Especialista em generalidades.

1984, George Orwell

lvorwell7n-1-web.jpg

 War is peace.

Freedom is slavery.

Ignorance is strenght.

 

1984, escrito em 1949 por George Orwell, é uma visão distópica do autor sobre a forma como o mundo estará dividido e como será governado nesse mesmo ano. Actualmente, voltou a estar no top de vendas e assume-se que seja em parte pelo estado da política mundial.

 

A obra retrata a Oceânia, uma das três potências mundiais, comandanda pelo Big Brother e, consequentemente, pelo partido no poder. Vive-se numa sociedade sem liberdade de expressão, na qual um pensamento indevido e uma expressão facial comprometedora são considerados crimes ("thought crimes"). É proibido apaixonar-se e o sexo resume-se ao objectivo da procriação. Mentes iguais e programadas e uma vida quase inexistente além do trabalho comandam a existência dos indivíduos, cabendo a esperança ao proletariado, os mais pobres que, por serem ignorados e reduzidos ao estatuto de animais, conseguem fazer o que nós consideramos um quotidiano normal.

 

Ler este livro é entrar numa montanha-russa de emoções, enquanto nos dá esperança, tira-nos, ao mesmo tempo, o tapete do chão. É sufocante imaginarmo-nos num mundo assim e apesar de 1984 já ter passado há muito, tudo parece cada vez mais actual.

E não se esqueçam, "Big Brother is watching you".

Relatos Selvagens (Relatos Salvajes), 2014

wildtales-cake.jpeg

 Filma esto, Néstor.

 

 

Há qualquer coisa de misterioso e charmoso no cinema argentino. Relatos Selvagens é um dos meus filmes preferidos e reúne 6 histórias diferentes, todas elas de ira, vingança e infortúnios. Acrescento também que um filme com o Ricardo Darín vale sempre a pena.

 

Mais informações aqui.

Trailer aqui.

Em Parte Incerta (Gone Girl), 2014

gone_girl_ver4_xlg.jpeg

 

Gone Girl tinha tudo para ser um grande filme. Um elenco com bons actores, apelativo a nível visual e um enredo prometedor.

 

A história divide-se entre o presente da vida do casal Nick e Amy e entre flashbacks destes mesmos até ao desaparecimento dela. O seu romance aparenta ser perfeito, mas como todos os casais, passam por verdadeiras provas e testes à relação. Tudo desmorona quando Amy desaparece de sua casa misteriosamente e Nick começa a perceber que os holofotes estão agora virados para si: terá sido ele o autor do súbito desvanecer da sua esposa?

 

O enredo até aqui promete, com muitos plot twists, deixando-nos no suspense quase até ao fim. O decepcionante é quando o filme termina, de uma forma mesmo surpreendente, porém quando se guarda um momento para a reflexão... mas este filme faz sequer sentido? Há tantas falhas a nível de argumento, pormenores (gigantes!) que deveriam ter sido tratados com mais cuidado. Não querendo entrar em pormenores para não ser spoiler (sim, é um filme de 2014, mas também só o vi agora), sabem quando vêem um daqueles episódios de CSI sobre os quais pensam "No wayyy, é impossível descobrirem isto desta forma!". Foi mais ou menos o que senti depois de ver Gone Girl. Um comboio que ia direitinho para o meu top de filmes e que mesmo a chegar à estação descarrilou, tamanha foi a trapalhada de quem o escreveu. BAH.

 

PS: Ben Affleck e Rosamund Pikes impecábeis.

 

Mais informações aqui.

Trailer aqui.

Mais sobre mim

foto do autor

Na minha playlist

Na minha cabeceira

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D